Buscar

Tarifa - Entre 2 Mares e a um Passo de África


Depois de uma pausa, regressamos a publicar neste blog. O último artigo foi sobre Gibraltar, mas, como não incluímos nenhuma informação sobre Tarifa, achamos que merecia outro post. Definitivamente, aconselhamos a quem esteja de visita a Gibraltar, que faça também uma paragem em Tarifa. Neste post vamos dar-vos vários motivos para visitarem e ficarem nesta cidade, assim como muitas sugestões de atividades.

Esperamos que gostem das dicas!

Tarifa


Na Puerta de Jerez, uma das mais utilizadas entradas para o Casco Histórico de Tarifa, lê-se um texto que comemora a tomada da cidade pelos cristãos:

“Muy Noble e Muy Leal y Heroica Cuidad de Tarifa

Ganada a los Moros reinando Sancho IV el Bravo

En 21 de Septiembre de 1292”



O nome Tarifa provém do comandante Tarif Ibn Malik que, sob as ordens de Tarik ibn Ziyad, o Bérbere, veio numa missão de reconhecimento do território da costa sul da Península Ibérica, desembarcando em Tarifa, para preparar a posterior invasão.

Como esta zona não tinha proteção militar, Tarif teve sucesso nesta missão, e, mais tarde, os Mouros liderados por Tarik Ibn Ziyad, invadiram o território derrotando e expulsando os Visigodos. Com a conquista muçulmana da Península Ibérica foi fundada uma medina na atual localização da cidade de Tarifa.


Durante o Império Romano, também existiu uma cidade muito próspera nesta zona, a antiga cidade de Baelo Claudia. As principais atividades económicas eram a salga do peixe, a produção do molho garum e o comércio com o norte de África. A sua origem remonta ao final do séc. II a. C.


A localização de Tarifa sempre foi muito estratégica, a nível comercial e militar, devido à proximidade com África (14 km). A Punta de Tarifa serve de separação entre o Oceano Atlântico e o Mar Mediterrâneo, mais em concreto o Mar do Alborão, situado entre a Península Ibérica, o norte de África e delimitado pelo Arco de Gibraltar.




Ilha de Las Palomas / Punta de Tarifa


A Punta de Tarifa é um cabo que serve de divisor entre as águas do oceano Atlântico e o mar Mediterrâneo.


A Isla de las Palomas (em português Ilha das Pombas) está hoje ligada a terra por uma estrada, tornando este o ponto mais meridional da península ibérica. A estrada que faz a ligação da cidade à ilha foi construída em 1808.


Na sua ponta mais meridional, a Punta Marroquina, foi construído um farol, perto do local one foram encontradas ruínas de um templo fenício.


No século XIX, na altura das invasões francesas, foi construída uma fortificação na ilha, para defesa do território.


Apesar de ter sido um lugar sagrado para os fenícios, por ser o ponto onde convergem o Atlântico e o Mediterrâneo, esta ilha é propriedade do Ministério da Defesa desde o século XX, não estando acessível para os cidadãos de Tarifa.


Hoje também não é possível entrar na ilha, pois funciona lá um quartel da Guarda Civil que atende os imigrantes que chegam a esta costa em pequenos barcos.


Porém, as suas águas circundantes, pertencem ao parque natural do estreito de Gibraltar e estão protegidas devido ao seu elevado valor ecológico.


Por ser uma ilha rochosa é o sítio ideal para praticar snorkeling e mergulho. As escolas de mergulho de Tarifa costumam fazer aqui os seus batismos de mergulho. Também é possível reservar um passeio de kayak para explorar a ilha.


Do lado Atlântico temos a extensa Playa de los Lances e do outro a mais pequena Playa Chica. Já do lado da ilha, existe outra pequena praia - a Playa de la Isla de Tarifa.




Castelo de Santa Catalina


O nome desta construção é uma homenagem a Santa Catarina de Siena. No cerro de Santa Catalina, onde construído o castelo, junto à Playa Chica e à Isla de las Palomas, havia uma pequena ermida, que foi convertida em armazém de pólvora, em 1770.


O atual castelo, de estilo neogótico, foi construído em 1928 pelo Ministério da Marinha, e já teve diversas finalidades, como controlo fronteiriço e estação meteorológica.



O que fazer em Tarifa?

Desporto


Os ventos Levante e Poniente são constantes nesta cidade, conhecida como a cidade do vento. Por esta razão é tão procurada pelos praticantes de kitesurf e windsurf. Foi até considerada a capital europeia destes desportos, recebendo importantes campeonatos e competições.




Praias


Tarifa tem ao todo 38 km de praia e a vantagem de se poder escolher entre o Mar Mediterrâneo e o Oceano Atlântico, com diferenças significativas a nível de temperatura, cor e tipo de areia. Na parte Atlântica encontramos praias de areias finas com diversos cabos, como a Punta Camarinal e a Punta Paloma. Aqui estão localizadas as praias de Atlanterra, Los Alemanes, El Cañuelo, Bolónia, Valdevaqueros e Los Lances.


A Praia de Bolonia é muito procurada principalmente pelas suas piscinas naturais. É considerada uma das melhores praias de Espanha, por ser uma praia natural e bem preservada. Na parte Oeste, fica a grande duna de Bolónia. Com 30 m de altura, é considerada um monumento natural. Uma atividade divertida é subir ao topo e descer a rebolar!


Na Costa Oriental, em direção à baía de Algeciras, as falésias elevam-se abruptamente sobre o nível do mar.


Playa de los Lances e Playa de la Isla de Tarifa

Conjunto Arqueológico de Baelo Claudia

Esta antiga cidade romana está localizada na enseada de Bolónia e pode ser visitada. A entrada é gratuita para os cidadãos da União Europeia e às quartas-feiras são organizadas visitas guiadas, sujeitas a inscrição prévia.


Belo Claudia pertence à Rota Betico Romana, uma Rota Turístico-Cultural do Vale do antigo rio Bétis (nome latino do atual rio Guadalquivir), no sul de Espanha. Esta rota atravessa vários municípios da antiga província romana Hispânia Baética, incluíndo Cadiz.


A cidade está em ótimo estado de conservação, uma vez que foi sepultada e apresenta um dos melhores urbanismos romanos do mundo, com elementos próprios de uma cidade romana como os edifícios do senado, palácio da justiça, templos, teatro, lojas, mercado e termas. Foi declarada Monumento Histórico Nacional.


No século III d.C. um terremoto seguido de um grande maremoto destruiu grande parte das construções. Depois de vários saques de piratas, no século VII d.C., a cidade foi abandonada pela sua população.


No local existe ainda um museu, uma biblioteca especializada e uma sala de conferências. O teatro romano está localizado no interior da cidade de Baelo Claudia. Apresenta uma diversa programação de espectáculos e um festival em Agosto, que atrai muitos visitantes ao anfiteatro romano.

Perder-se nas ruas estreitas do Centro Histórico


O Casco Histórico de Tarifa foi declarado Bem de Interesse Cultural em 2003. Percorre as suas ruas com uma máquina fotografia para registar alguns apontamentos interessantes desta cidade.


Foram os muçulmanos que primeiro construíram as muralhas que rodeiam o Casco Histórico. A Medina do Período de ocupação Islâmica foi depois expandida com a conquista cristã.


A presença muçulmana na Península Ibérica durou sete séculos e está bem presente na cidade, na sua fisionomia urbana, de ruas estreitas, arcos ogivais e casas com pátios interiores. O pátio interior é um elemento da sua cultura que têm persistido através de gerações. É o local por excelência para o convívio familiar e social. A sua origem vem do tempo em que este povo montava as tendas em círculos com um espaço central, durante as suas viagens.



Existiam 4 portas para a entrada na antiga medina:

Porta de Almedina, a oeste - permanece intacta mas integrada numa construção.

Porta de Jerez, a norte - é a mais utilizada do período da conquista cristã e expansão da Medina.

Porta del Mar, a sul - já não existe.

Porta del Retiro, a este - já não existe.


No interior do arco da Porta de Jerez, podemos admirar a obra doada pelo artista Guillermo Pérez Villata, o Cristo de los Vientos.

Aproveita para visitar o Mercado Municipal e comprar produtos locais!

Observação de cetáceos

Tarifa está dentro do Parque Natural del Estrecho, que cobre área terrestre e marinha. O estreito de Gibraltar é Reserva Intercontinental da Biosfera da Unesco (2006).


Baleias e golfinhos podem ser avistados nestas águas transparentes, onde o Atlântico se junta ao Mediterrâneo. Podem-se observar sete espécies diferentes de cetáceos: o golfinho-comum-de-bico-curto, o golfinho-listrado, o golfinho-roa, a baleia-piloto-de-aleta-longa, a orca, o cachalote e o rorqual comum. As primeiras quatro são residentes e a últimas três são espécies migratórias.

Os passeios de barco realizam-se todo o ano, excepto em Dezembro.


A melhor altura para avistar orcas é no início do Verão, quando elas seguem a migração do atum até ao Mar Mediterrâneo.

Observação de Aves


O Estreito de Gibraltar é o ex-líbris da migração, pois é a zona mais fácil de atravessar o Mar Mediterrâneo (apenas 14 km).

Duas vezes por ano o estreito transforma-se num corredor aéreo entre o continente Africano e o Europeu para dezenas de milhares de aves. É um espetáculo ímpar, pela grande quantidade de indivíduos que é possível observar num dia limpo, e pela possibilidade de avistar algumas espécies raras. Ao final do dia, é possível que fique com uma dor no pescoço de olhar tanto para cima!

Tarifa tem vários observatórios:

  • El Alfarrobo

  • Cazalla

  • Observatório del Estrecho, onde também poderá visitar a exposição “Migración e Cambio Global” ou inscrever-se em atividades de educação ambiental.



Gastronomia


No Casco Histórico de Tarifa existem muitos restaurantes onde pode conhecer a gastronomia local. Os mais conhecidos são Los Melli, la Garrocha e Bar el Francês. Para os vegetarianos existe um restaurante com deliciosa comida caseira - La Chilimosa.



Caminhadas

Aproximadamente 60% do território de Tarifa beneficia de algum tipo de proteção oficial. A maior parte da extensão está ocupada pelo Parque Natural Los Alcornocales. Este é um dos maiores parques naturais de Espanha, dividido entre as províncias de Cadiz e Malaga, estende-se desde a área costeira de Tarifa até às montanhas do interior.



Parque Natural Los Alcornocales

Este parque alberga a maior mancha de sobreiros da Península Ibérica, é daqui que vem o seu nome.

As montanhas formam um barreira para os ventos litorais e retêm humidade nos bosques, favorecendo o aparecimento de várias espécies de cogumelos.

A serra apresenta muitos relevos cársicos, como grutas, que albergam várias colónias de morcegos. A proximidade com o Estreito de Gibraltar favorece a presença de muitas aves, incluíndo o abutre ou o grifo.

Neste parque podem-se fazer muitos trilhos, como por exemplo o Valdeinfierno e a Ruta de los Molinos.


Na zona limítrofe com Algeciras existem várias galerias ripícolas de elevado valor ecológico. Os chamados “canutos” são bosques presentes nos vales de algumas serras do Sul de Espanha, com espécies vegetais próprias do período terciário. O clima peculiar de elevada humidade proporcionada pela proximidade do mar e das montanhas permitiu a preservação de várias espécies da floresta laurissilva. Nesta região, existiram os últimos bosques tropicais europeus. Os ventos provenientes do Estreito de Gibraltar, quando ascendem a estas serras formam “bosques de niebla”, à semelhança do que acontece em algumas ilhas como as Canárias e os Açores. São bosques húmidos de montanha subtropical ou tropical formados por uma grande densidade de árvores, muita neblina, precipitação e altas temperaturas. São o último reduto dos bosques que ocupavam o continente europeu, mas são muito vulneráveis às alterações climáticas.


Existem vários percursos ribeirinhos que se podem realizar nesta zona. Já no Reino de Algeciras, encontramos o Percurso do Rio de La Miel. É um percurso pequeno, que se pode realizar facilmente com crianças. O percurso é linear, com cerca de 5 km (ida e volta), ao longo da ribeira de la Miel. O rumor das águas acompanha-nos ao longo deste percurso, à medida que vamos entrando no “canuto". A ponte medieval evoca lendas de bandoleros e salteadores e o Moinho de Escalona é um dos poucos que ainda se encontra em funcionamento. O percurso termina numa magnífica cascata com um poço de águas azuis. Nesta zona não permitidos banhos.


Sendero do Rio de la Miel

Parque Natural del Estrecho


O parque natural do Estreito está localizado em Tarifa e Algeciras, protegendo a área terrestre e litoral do Estreito de Gibraltar.


O percurso Colada de la Costa, de 16 km, começa em Tarifa e termina no centro de visitantes Huerta Grande, situado entre o Parque del Estrecho e o Parque Natural los Alcornocales. Atravessa vários promontórios, com vistas excepcionais para África. Este percurso faz ligação o Sendero Cerro del Tambor, que dá acesso a um miradouro com vistas majestosas para o Estreito de Gibraltar. Daqui também é comum avistarem-se cetáceos.


Em Tarifa inicia-se uma Grande Rota - a GR7 - que termina em Andorra. Esta rota ainda faz parte de uma Grande Rota Europeia, a E-4, com 10.450 km, de Tarifa a Chipre. Esta rota atravessa Espanha, França, Suíça, Alemanha, Áustria, Hungria, Roménia, Bulgaria e Grécia.

Escalada


Na Serra de San Bartolo, na zona de Bolónia, existem cerca de 250 percursos de escalada, com vários níveis. Apesar de ser uma zona ventosa, algumas das paredes de calcário compacto e arenito estão abrigadas contra os ventos fortes.


Para aqueles que gostam de escalada desportiva, sugerimos que adquiram em Tarifa o Guia “Escalar en el Campo de Gibraltar”, ou que contatem uma das empresas locais que oferecem cursos de escalada.

A um passo de África

De Tarifa podemos observar a cidade de Tânger, no Norte de Marrocos. Daqui é possível apanhar um ferry para Marrocos, que tem uma duração de 35 minutos. Também se pode reservar um tour guiado pelas cidades de Tânger, Ceuta ou Tétouan.



Reservar Alojamento em Tarifa


Existem diversas categorias de alojamentos em Tarifas, como hotéis, apartamentos, casas de hóspedes e casas rurais.


Ver alojamentos em Tarifa




Aviso de links afiliados

Este artigo contém alguns links de parceiros afiliados. Ao usarem estes links estão a apoiar a criação deste conteúdo gratuito. Obrigado!


16 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Gibraltar

 
Reserve Agora Reserve Agora